Construindo de forma correta e segura em Porto Alegre

Na hora de construir é necessário ter atenção a diversos detalhes para que, no fim das contas, o desafio não se torne motivo para dor de cabeça e perda de dinheiro.

É muito comum que as pessoas tenham surpresas desagradáveis em obras de construção civil quando não há planejamento. É na fase de planejamento onde as decisões podem ter custo menor e um controle maior. Portanto ao construir sua residência é importante estar atento aos passos necessários para que sua obra tenha final feliz.

1⇢ Capitalização

Não é segredo, para construir é necessário ter capital, seja na forma de moeda ou carta de crédito. Caso precise, procure se informar e simular financiamentos na sua agência, fale com seu gerente. No site da CAIXA você pode simular um financiamento. ↳ Veja aqui como funciona o financiamento.
- Procure definir de antemão qual o investimento que pretende disponibilizar para a sua construção.

2⇢ Escolha e aquisição do terreno

A aquisição do terreno obviamente é indispensável. A decisão engloba fatores como vizinhança, valor venal, acesso, proximidade do trabalho, etc. Sugere-se que o interessado entre em contato com corretores imobiliários que irão contribuir na agilidade na escolha do terreno assim como nos procedimentos legais, documentação, tributos, contratos, etc.

- Evite terrenos legalmente travados, com hipotecas, não quitados, em inventários de herança, pois com certeza a dor de cabeça depois será inevitável.

No entanto muitos se esquecem de fatores essenciais que irão influir no projeto tais como zoneamento e parâmetros urbanísticos, insolação, presença de bosques ou APPs (Áreas de preservação permanente).

Procure a orientação e consultoria de um arquiteto ou engenheiro credenciados nos conselhos regionais. Estes profissionais poderão contribuir para escolha de terrenos com maiores potenciais construtivos ou em qualidade urbana e espacial.

Lotes muito acidentados podem encarecer a obra mas dependendo do caso podem propiciar um custo menor no valor do terreno assim como arquiteturas diferenciadas com aproveitamento de vistas para o entorno, posição do sol, vento, entre outras. Saiba mais aqui.

3⇢ Levantamentos

Em sendo o feliz proprietário de um lote é necessário executar alguns serviços preliminares de levantamento. Procure sempre empresas com profissionais devidamente licenciados.

 Na maioria dos casos os estudos necessário são:

  • Levantamento topográfico: o qual irá indicar as dimensões reais do lote, níveis, alturas, locação de árvores, postes, áreas, atingimentos de passagem de rua entre outros. O valor do serviço varia de acordo com a localização e o tamanho do lote. Este estudo servirá para planejar a melhor forma de implantar a futura edificação.
  • Sondagem geotécnica: o método mais comum para sondagem é o SPT(standard penetration test) ou simplesmente sondagem à percussão ou sondagem de simples reconhecimento. As amostras do solo são retiradas camada a camada indicando as características da composição do solo assim como a carga suportada e o nível do lençol freático. Este estudo servirá para prever o tipo de fundação conforme o projeto estrutural. Com a análise do solo é possível prever a melhor técnica com menor custo evitando-se gastos desnecessários com fundações superdimensionadas ou problemas com estruturas subdimensionadas.

4⇢ Projetos ↹ Projeto Arquitetônico 

  1. Com levantamentos em mãos o primeiro profissional a ser contratado deve ser o arquiteto. Com o acompanhamento deste profissional você deverá chegar no formato de residência mais apropriada para você e sua família. Procure contratar profissionais devidamente habilitados e com experiência comprovada. Elabore com o arquiteto projetista um briefing contendo programa de necessidades (constando por exemplo quantidade de dormitórios e banheiros) número de pavimentos, estilo desejado, áreas externas, equipamentos, acessórios (lareiras, churrasqueiras), tipo de sistema de aquecimento de água entre outros.
  2. Questione o arquiteto sobre as soluções de arquitetura bioclimática mais adequadas para o seu bairro. Dependendo da região possuir clima predominantemente frio ou quente a arquitetura poderá minimizar o desconforto térmico por meio de paredes mais espessas para climas frios ou com ventilação cruzada para climas quentes por exemplo.


“Cuidado para não exceder expectativas de verba orçamentária, evitando não faltar recursos no final”

A partir dai a casa começa a tomar forma, na fase do Estudo Preliminar de Arquitetura. Com o auxilio de softwares o projetista deverá apresentar plantas baixas, cortes e imagens da futura obra, demonstrando o aspecto final desejado, dimensionamento de ambientes e áreas construídas. Procure definir bem com o arquiteto seu estudo, pois nesta fase ainda é possível alterar o projeto sem custos significativos de retrabalho.

Após a conclusão do estudo inicia-se a fase de Anteprojeto, fase de onde saem desenhos mais técnicos voltados à aprovação em órgãos públicos. O projeto será apresentado à Prefeitura Municipal a qual irá fazer o processo para Emissão do alvará de construção. Nesta fase será necessário apresentar além do projeto outros documentos referentes ao terreno como por exemplo o registro de imóveis atualizado, ARTs entre outros. Este processo de licenciamento demanda custos com taxas e cópias, preveja isto no seu orçamento.

Na maioria dos municípios o órgão responsável é a Secretária de Urbanismo, Planejamento ou Obras. É comum no entanto outros órgãos estarem envolvidos tais com o Meio Ambiente e quando necessário o Conselho Municipal de Urbanismo. Normalmente são necessárias duas responsabilidades técnicas, de projeto arquitetônico e de execução de obra. Em Porto Alegre o prazo médio para aprovação de residência Unifamiliar é de 2 a 3 meses.

Com a aprovação do projeto e alvará em mãos a obra estará devidamente licenciada para ter início. Mas para finalizar o projeto arquitetônico é recomendável contratar desde o início o Projeto Básico de Construção que irá especificar principalmente revestimentos e esquadrias no formato de tabelas, cadernos e memorial descritivo de acabamentos. Estas informações servirão posteriormente para a elaboração do orçamento estimativo de Construção.

5⇢ Execução e mão de obra

Contrate uma empresa que tenha profissionais qualificados, que seja séria, dê preferência aquelas que tem equipes de arquitetos, engenheiros, mestre de obras e equipes mais completas. Assim você poderá fazer um modelo de negócio em forma de pacote para obter um melhor “custo-benefício no final das contas” e ter a casa dos seu sonhos sem muita dor de cabeça.

No Brasil é comum que pessoas desconfie de empresas, produtos e serviços. Mas hoje, com a Internet, você mesmo tem condições de descobrir se, o que está contratando trata-se de algo sério ou não.
↳ Pesquise no PROCON, no Tribunail de Justiça do RS e certifique-se você mesmo.

 Para contratar os serviços da Reformolar leia com atenção o nosso SAC e cadastre-se AQUI.

Construindo de maneira correta e segura em Curitiba

Na hora de construir é necessário ter atenção a diversos detalhes para que, no fim das contas, o desafio não se torne motivo para dor de cabeça e perda de dinheiro.

É muito comum que as pessoas tenham surpresas desagradáveis em obras de construção civil quando não há planejamento. É na fase de planejamento onde as decisões podem ter custo menor e um controle maior. Portanto ao construir sua residência é importante estar atento aos passos necessários para que sua obra tenha final feliz.

1⇢ Capitalização

Não é segredo, para construir é necessário ter capital, seja na forma de moeda ou carta de crédito. Caso precise, procure se informar e simular financiamentos na sua agência, fale com seu gerente. No site da CAIXA você pode simular um financiamento. ↳ Veja aqui como funciona o financiamento.
- Procure definir de antemão qual o investimento que pretende disponibilizar para a sua construção.

2⇢ Escolha e aquisição do terreno

A aquisição do terreno obviamente é indispensável. A decisão engloba fatores como vizinhança, valor venal, acesso, proximidade do trabalho, etc. Sugere-se que o interessado entre em contato com corretores imobiliários que irão contribuir na agilidade na escolha do terreno assim como nos procedimentos legais, documentação, tributos, contratos, etc.

- Evite terrenos legalmente travados, com hipotecas, não quitados, em inventários de herança, pois com certeza a dor de cabeça depois será inevitável.

No entanto muitos se esquecem de fatores essenciais que irão influir no projeto tais como zoneamento e parâmetros urbanísticos, insolação, presença de bosques ou APPs (Áreas de preservação permanente).

Procure a orientação e consultoria de um arquiteto ou engenheiro credenciados nos conselhos regionais. Estes profissionais poderão contribuir para escolha de terrenos com maiores potenciais construtivos ou em qualidade urbana e espacial.

Lotes muito acidentados podem encarecer a obra mas dependendo do caso podem propiciar um custo menor no valor do terreno assim como arquiteturas diferenciadas com aproveitamento de vistas para o entorno, posição do sol, vento, entre outras. Saiba mais aqui.

3⇢ Levantamentos

Em sendo o feliz proprietário de um lote é necessário executar alguns serviços preliminares de levantamento. Procure sempre empresas com profissionais devidamente licenciados.

 Na maioria dos casos os estudos necessário são:

  • Levantamento topográfico: o qual irá indicar as dimensões reais do lote, níveis, alturas, locação de árvores, postes, áreas, atingimentos de passagem de rua entre outros. O valor do serviço varia de acordo com a localização e o tamanho do lote. Este estudo servirá para planejar a melhor forma de implantar a futura edificação.
  • Sondagem geotécnica: o método mais comum para sondagem é o SPT(standard penetration test) ou simplesmente sondagem à percussão ou sondagem de simples reconhecimento. As amostras do solo são retiradas camada a camada indicando as características da composição do solo assim como a carga suportada e o nível do lençol freático. Este estudo servirá para prever o tipo de fundação conforme o projeto estrutural. Com a análise do solo é possível prever a melhor técnica com menor custo evitando-se gastos desnecessários com fundações superdimensionadas ou problemas com estruturas subdimensionadas.

4⇢ Projetos Projeto Arquitetônico 

  1. Com levantamentos em mãos o primeiro profissional a ser contratado deve ser o arquiteto. Com o acompanhamento deste profissional você deverá chegar no formato de residência mais apropriada para você e sua família. Procure contratar profissionais devidamente habilitados e com experiência comprovada. Elabore com o arquiteto projetista um briefing contendo programa de necessidades (constando por exemplo quantidade de dormitórios e banheiros) número de pavimentos, estilo desejado, áreas externas, equipamentos, acessórios (lareiras, churrasqueiras), tipo de sistema de aquecimento de água entre outros.
  2. Questione o arquiteto sobre as soluções de arquitetura bioclimática mais adequadas para o seu bairro. Dependendo da região possuir clima predominantemente frio ou quente a arquitetura poderá minimizar o desconforto térmico por meio de paredes mais espessas para climas frios ou com ventilação cruzada para climas quentes por exemplo.

“Cuidado para não exceder expectativas de verba orçamentária, evitando não faltar recursos no final”

A partir dai a casa começa a tomar forma, na fase do Estudo Preliminar de Arquitetura. Com o auxilio de softwares o projetista deverá apresentar plantas baixas, cortes e imagens da futura obra, demonstrando o aspecto final desejado, dimensionamento de ambientes e áreas construídas. Procure definir bem com o arquiteto seu estudo, pois nesta fase ainda é possível alterar o projeto sem custos significativos de retrabalho.

Após a conclusão do estudo inicia-se a fase de Anteprojeto, fase de onde saem desenhos mais técnicos voltados à aprovação em órgãos públicos. O projeto será apresentado à Prefeitura Municipal a qual irá fazer o processo para Emissão do alvará de construção. Nesta fase será necessário apresentar além do projeto outros documentos referentes ao terreno como por exemplo o registro de imóveis atualizado, ARTs entre outros. Este processo de licenciamento demanda custos com taxas e cópias, preveja isto no seu orçamento.

Na maioria dos municípios o órgão responsável é a Secretária de Urbanismo, Planejamento ou Obras. É comum no entanto outros órgãos estarem envolvidos tais com o Meio Ambiente e quando necessário o Conselho Municipal de Urbanismo. Normalmente são necessárias duas responsabilidades técnicas, de projeto arquitetônico e de execução de obra. Em Curitiba o prazo médio para aprovação de residência Unifamiliar é de 2 a 3 meses.

Com a aprovação do projeto e alvará em mãos a obra estará devidamente licenciada para ter início. Mas para finalizar o projeto arquitetônico é recomendável contratar desde o início o Projeto Básico de Construção que irá especificar principalmente revestimentos e esquadrias no formato de tabelas, cadernos e memorial descritivo de acabamentos. Estas informações servirão posteriormente para a elaboração do orçamento estimativo de Construção.

5⇢ Execução e mão de obra

Contrate uma empresa que tenha profissionais qualificados, que seja séria, dê preferência aquelas que tem equipes de arquitetos, engenheiros, mestre de obras e equipes mais completas. Assim você poderá fazer um modelo de negócio em forma de pacote para obter um melhor “custo-benefício no final das contas” e ter a casa dos seu sonhos sem muita dor de cabeça.

No Brasil é comum que pessoas desconfie de empresas, produtos e serviços. Mas hoje, com a Internet, você mesmo tem condições de descobrir se, o que está contratando trata-se de algo sério ou não.
↳ Pesquise no PROCON, no Tribunail de Justiça do Paraná e certifique-se você mesmo.

Para contratar os serviços da Reformolar leia com atenção o nosso SAC e cadastre-se AQUI.

Invista no Arquiteto !

É comum escutarmos que “O arquiteto onera uma obra, cria projetos inexeqüíveis, etc,etc,etc”. Entretanto, ao contrário do que se lê, se ouve e se prega, este profissional foi treinado para otimizar espaços e custos. Aprende durante 5 anos universitários (e outros tantos mais de prática) sobre a melhor maneira de solucionar espaços arquitetônicos — iluminação, ventilação, circulação — sempre preocupado com seu entorno. Sem contar os conhecimentos prementes de ecologia e arquitetura auto-sustentável.

O Arquiteto minimiza estruturas e instalações (elétrica, hidráulica, esgoto), coordenando suas interligações para que todos os elementos sejam compatíveis; une forma e função na proporção estética interior x exterior, dentro do contexto orientação geográfica, condições climáticas e topografia. Tudo isso dentro de uma idéia original, é claro!

O Arquiteto desenvolve um projeto executivo a partir do anteprojeto — que é apenas a parcela que o leigo re(conhece) — onde os detalhamentos (de alvenaria, esquadrias, marcenaria, banheiros e cozinhas) viabilizam a construção. Nos projetos públicos existe ainda a preocupação com o simbolismo.

O Arquiteto acompanha a execução da obra, tirando dúvidas dos operários e solucionando as novas demandas dos proprietários em tempo hábil, para que o seu cronograma não seja prejudicado. É ainda o coordenador de projetos complementares como paisagismo, luminotécnica e sonorização.

Portanto, Insista no Arquiteto!

Você confia no analista, paga médico e dentista e no arquiteto não há quem INVISTA? INSISTA. Seu trabalho faz bem à vista e ainda sai na revista! É importante contratar (desde o início) este profissional para todo tipo de intervenção (projetos, obras, reformas), seja esta residencial, comercial ou institucional, de pequeno ou grande porte. Afinal, sua casa não é produto descartável e seu tempo também é precioso.

OK, até aqui já vimos que o Arquiteto é o profissional indicado para encontrar o melhor custo/benefício e executá-lo da maneira mais prática e objetiva. Mas POR QUÊ?

Profissional multifunção

Além de todos os itens já citados, o Arquiteto se mantém informado sobre os novos materiais lançados no mercado e equilibra suas texturas e cores, muitas vezes utilizando-a de maneira não tradicional. O Arquiteto desenha perspectivas (à mão livre, ou no computador) e elabora maquetes para que o cliente possa melhor compreender sua concepção, além de dominar programas computacionais como Autocad, Corel Draw e Photoshop, que tornam o projeto mais dinâmico. Sem o uso de programas computacionais, muitos projetos não poderiam se viabilizar devido à complexidade de suas propostas.

O Arquiteto brilha em outras áreas também, sendo reconhecidos como designers de mobiliário, artistas plásticos, luminotécnicos, cenógrafos ou até mesmo cineastas. Isto porque o conhecimento tecnológico e artístico que ele deve absorver habilita-o a trilhar diversos caminhos. Dele ainda se espera que esteja atualizado sobre o que há de mais contemporâneo no mercado nacional e internacional. UFA!

Pois no Brasil este múltiplo projetista muitas vezes recebe menos que um mestre-de-obras. Segundo uma pesquisa da Revista VEJA, o Arquiteto é hoje o profissional (curso superior) com a menor remuneração do mercado. Já nos países do primeiro mundo, a CRIAÇÃO é o item mais valorizado. Em diversos países da Europa o vestibular de Arquitetura é mais disputado do que Medicina e o profissional é chamado de “Doutor Arquiteto”. Às vezes o curso dura 6 anos, quando não 7, como é o caso da Inglaterra, pois estágios em obras e escritórios são obrigatórios.

Esta desvalorização fica bem clara nos lançamentos de edifícios residenciais, onde se destacam apenas os nomes do Incorporador, da Construtora e até mesmo do decorador. Muitas vezes no próprio stand de vendas a informação do verdadeiro autor é omitida. Na execução de Interiores, construtoras — muitas vezes comandadas por arquitetos — também são preteridas por empreiteiros, esquecendo-se este cliente de todo conhecimento e responsabilidade técnica envolvidos numa obra.

O que não falta são exemplos de reformas mal acabadas, com instalações que não funcionam, ausência de ergonomia básica, obras intermináveis onde o custo dos erros é sempre do proprietário. A expressão popular “o barato sai caro” cairia como uma luva na grande maioria dos casos.

Portanto, Invista no Arquiteto!

É importante contratar (desde o início) este profissional para todo tipo de intervenção (projetos, obras, reformas), seja esta residencial, comercial ou institucional, de pequeno ou grande porte. Afinal, sua casa não é produto descartável e seu tempo também é precioso.

Forum da Construção

O que é uma construção sustentável

O conceito de Construção Sustentável baseia-se no desenvolvimento de um modelo que permita à construção civil enfrentar e propor soluções aos principais problemas ambientais de nossa época, sem renunciar à moderna tecnologia e à criação de edificações que atendam as necessidades de seus usuários.

O que é Construção Sustentável?

Construção Sustentável é um sistema construtivo que promove alterações conscientes no entorno, de forma a atender as necessidades de edificação e uso do homem moderno, preservando o meio ambiente e os recursos naturais, garantindo qualidade de vida para as gerações atuais e futuras.

Características básicas dos edifícios sustentáveis

• Gestão sustentável da implantação da obra
• Consumir mínima quantidade de energia e água na implantação da obra e ao longo de
sua vida útil
• Uso de matérias-primas ecoeficientes
• Gerar mínimo de resíduos e contaminação ao longo de sua vida útil
• Utilizar mínimo de terreno e integrar-se ao ambiente natural
• Não provocar ou reduzir impactos no entorno –paisagem, temperaturas e concentração
de calor, sensação de bem-estar
• Adaptar-se às necessidades atuais e futuras dos usuários
• Criar um ambiente interior saudável (free VOCs/COVs)
• Proporcionar saúde e bem-estar aos usuários

Construção civil e economia sustentável

A construção civil é o segmento que mais consome matérias-primas e recursos naturais no planeta e é o terceiro maior responsável pela emissão de gases do efeito estufa à atmosfera, compreendidos aí toda a cadeia que une fabricantes de materiais e usuários finais (construtoras, empreiteiras etc.).

A Construção Sustentável tem, portanto, papel fundamental no desenvolvimento e incentivo de toda uma cadeia produtiva que possa alterar seus processos para um foco mais ecológico, de forma a reverter o quadro de degradação ambiental, bem como para preservar os recursos naturais para futuros usos e as gerações vindouras.

Existe um padrão único para uma Construção Sustentável?

Não. Podem haver dezenas, talvez centenas de diferentes de obras sustentáveis. O que permite que uma obra seja considerada sustentável é a avaliação do local de sua implantação e o planejamento de todas as intervenções, de forma a agredir ao mínimo o meio ambiente antes, durante e depois da construção.

Esta avaliação permitirá definir também o grau de sustentabilidade da obra, ou seja, os limites da mesma em relação ao meio ambiente –se será mais ou menos ecologicamente correta.

Como identificar e classificar obras sustentáveis?

É importante não apenas construir sustentavelmente, mas também comprovar que a obra de fato segue tais pressupostos. Trata-se de uma garantia para o cliente, para o mercado e uma maneira de se propagar com credibilidade e critérios o conceito de Construção Sustentável.

Já existem sistemas de classificação de construções sustentáveis em todo o mundo –mas ainda nenhum genuinamente brasileiro. Após avaliação da obra, e caso a mesma promova benefícios ambientais consistentes, tais sistemas certificam a construção.

Fonte Tepeng

Moradias de baixa renda devem receber energia limpa

Quando vemos uma residência utilizar energia renovável para suprir suas necessidades elétricas, já imaginamos um ganho enorme. Agora, ter um projeto inteiro de construção de casas com o pensamento ecológico seria sensacional. É isso que propõe o engenheiro mecânico Fernando Alves Ximenes, para o “Minha Casa, Minha Vida”.

O programa já construiu milhares de moradias de baixa renda no país e caso adote a estrutura ecológica, poderia ajudar muito o meio ambiente. A ideia de Ximenes é aplicar a tecnologia na região de Itaitinga, em Fortaleza. Entretanto, o engenheiro explica que a questão financeira ainda deve ser discutida com a Caixa Econômica Federal, idealizadora do programa.

Seria gasto em torno de R$1,5 mil por casa, o que resultaria em um investimento de 6 milhões de reais em toda região. Vale lembrar que, além do fator ecológico, a geração de energia limpa também supre os gastos com energia elétrica, transformando-se o investimento feito em economia financeira para os moradores.

Vai dizer, seria bem bacana se essa ideia desse certo!

Fonte: Ciclo Vivo