Quanto custa a construção de uma casa?

Quanto mais informação você tiver sobre o imóvel que deseja construir, mais exato será o calculo do valor total da construção. Portanto, faça o seguinte exercício: imagine situações diferentes, que vão desde a quase total falta de informação até a informação completa.

Quando se tem apenas uma série de ideias, o que importa é ter noção do valor a ser investido na construção, pois isso permite adequar o tamanho da casa ao seu bolso.

Nesse caso, recomenda-se uma estimativa de custos de construção, obtida através da multiplicação da área total que imagina construir pelo valor do metro quadrado de área construída, incluindo material e mão de obra.

Uma segunda forma é obter uma estimativa de custos de construção parametrizada, que leva em consideração algumas características imaginadas para a casa, tais como: área do terreno, área dos pavimentos, pé direito dos pavimentos, quantidade de dormitórios e de banheiros, bem como a técnica construtiva utilizada.

Quando já se tem o projeto, a facilidade é maior, pois sua resposta virá através de um orçamento detalhado e elaborado a partir deste material.
Neste ponto você já terá então investido na elaboração do projeto da casa e na consultoria para fazer o orçamento.

Para que tenha uma ideia veja na tabela abaixo os gastos com material e mão de obra necessários para construir uma casa, com acabamentos de padrão simples, médio e luxo (Preços em Reais, por m², mês de março 2015).

Os números excluem custo de projetos (que varia de 5 a 12%), gerenciamento e fiscalização da compra de materiais feitos por arquiteto, engenheiro ou empreiteiro (ficam entre 10 e 20%), elaboração e execução de paisagismo e serviços complementares.

Nos padrões simples e médio, o sobrado tem estrutura de concreto e paredes de tijolo cerâmico. No luxo, de tijolo maciço. De um para outro, também mudam os acabamentos.

Leia também:
Quanto custa construir uma casa
Como construir de maneira correta e segura
Preço do m² na construção civil em 2015
- Como diminuir os custos na construção da sua casa

 

 

A Reformolar não executa nenhum tipo de obra sem projeto. ↳ Saiba porque 

O atendimento telefônico é das 08:00 às 12:00 e das14:00 às 18:00 horas de segunda à sexta-feira.

Para solicitar o seu orçamento leia o nosso S.A.C, e após preencha todas as informações do formulário clicando Aqui.

Para contratar os serviços da Reformolar leia com atenção o nosso SAC e cadastre-se AQUI.

8 motivos para contratar um arquiteto

Na hora de construir ou reformar podem surgir algumas dúvidas sobre como agir. Para te ajudar, selecionamos 8 motivos para você contratar um Arquiteto.

1. O arquiteto e urbanista é o profissional certo para transformar as suas necessidades e desejos em soluções espaciais, e construir ou reformar o seu imóvel.

2. Ele tem uma formação única que o habilita a unir técnica, criatividade, funcionalidade e estética, deixando o seu imóvel mais agradável, ambientalmente sustentável e adequado às suas necessidades e ao seu orçamento.

3. Contratar um arquiteto é um investimento com retorno imediato e também recompensa mensurável a longo prazo. Além de construir com garantia de segurança, uma obra feita sob a orientação de um arquiteto agrega valor ao imóvel.

4. Contratando um profissional de arquitetura e urbanismo você evita gastar dinheiro de forma desnecessária, construindo algo diferente do que realmente queria.

5. Você também não corre o risco de comprar material a mais ou a menos: ele vai calcular a quantidade necessária e elaborar um orçamento para facilitar a sua programação financeira.

6. O arquiteto é o profissional técnica e legalmente autorizado a fazer o projeto arquitetônico, a exigência central para que sua casa seja construída, e pode também realizar e/ou coordenar os projetos complementares necessários à sua construção.

7. Devido à sua ampla formação técnico-artística, o arquiteto está unicamente preparado para gerenciar todos os fornecedores da obra, do fabricante de ferragem pronta à loja de papel de parede, e prestar ajuda técnica e estética na compra dos materiais.

8. Além de coordenar todos os projetos, o arquiteto pode também se responsabilizar pela execução das obras de sua construção ou reforma, das providências legais à contratação de operários, oferecendo um elenco completo de serviços.

Fonte: CAU/BA

Coisas que aprendemos com a construção de casas

Durante a construção da minha casa aprendi muitas coisas e gostaria de compartilhar com vocês pelo menos 5 itens que para mim foram de grande aprendizado na construção da minha casa, que certamente me ajudarão em futuros projetos e que possivelmente poderá ser útil para quem ainda pretende fazer sua casa.

Planejamento vai muito além de plantas
O planejamento é importante em tudo que fazemos na vida e na construção de uma casa não é diferente. Contudo, ele vai muito além do que meras plantas arquitetônicas, é preciso pensar em planejamento financeiro, planejamento de tempo para acompanhamento da obra, compra de materiais, planejamento de entrega desse materiais, entre outros.

Paciência é importante
Ter paciência é algo muito necessário, pois não é fácil lidar com pedreiros, arquitetos, engenheiros e outros profissionais envolvidos na construção. Cada pessoa tem um ritmo de trabalho, um temperamento e forma de relacionar com os outros. Sem paciência, as coisas podem ser mais difíceis.

Administrar a obra é essencial
Um dos 5 itens que aprendi é que administrar a obra é um trabalho árduo, mas essencial para o sucesso. Tenha tudo na ponta do lápis e aliado ao bom planejamento, acompanhe cada detalhe. Eu sei que isso irá lhe custar um tempo precioso, mas como disse acima, o tempo também precisa ser planejado. O ideal é contratar um resposnsável técnico (arquiteto, engenheiro civil ou um gerente de projetos)

Pressa atrapalha muito
Aprendi também que pressa é algo que não é muito bem vindo ao canteiro de obras. Eu tinha muita pressa quando construí e hoje me arrependo dela, pois acredito que muitas coisas poderiam ter sido mais bem feitas se não fosse a questão da pressa.

Nem tudo vai ficar como queríamos
Depois de planejar, administrar e fiscalizar de perto a construção da casa, aprendi que nem tudo fica como queríamos. Olho em volta e vejo coisas que não gosto, mas que foram feitas e foram feitas por que tinham de ser feitas. É preciso aprender a lidar com isso e entender que as vezes queremos algo que é inviável tecnicamente, operacionalmente ou até financeiramente. Por isso o ideal é a contratação de uma empresa especializada, pois eles já sabem o caminho das pedras. Vale a pena!

Casa Dicas

Steel Frame x Alvenaria Convencional

Teste sísmico em plataforma pneumática

Teste realizado na China em ambiente controlado sobre plataforma pneumática, onde duas edificações sendo a da esquerda em Light Steel Frame e a da direita em Alvenaria sofrem a simulação de um abalo sísmico. É demonstrado o diferencial existente entre os dois sistemas construtivos no que se refere a resistência mecânica.

Este é provavelmente o aspecto em que o futuro utilizador mais rapidamente pensará ao analisar a possibilidade de construir um edifício com estrutura em aço. O fato de se usarem materiais leves, em contraste com o peso do concreto, poderá levar muitos a duvidar imediatamente da resistência desse tipo de construções.

No entanto, tal dúvida não procede, considerando que a resistência da estrutura é assegurada pelo metal. Neste sentido uma casa no sistema light steel framing não difere de qualquer outra casa de alvenaria. A resistência estrutural de qualquer casa vulgar é assegurada pelo uso de varas de ferro embutidas em pilares e lintéis de cimento. No entanto, no primeiro caso, são usados perfis e vigas de aço galvanizado com espaçamentos de 60 cm ou menos. Tomando por hipótese uma habitação de tamanho normal, tendo um piso térreo e um superior, totalizando 200 m² por exemplo, são utilizados cerca de 1.300 metros de perfis ou montantes verticais, 500 metros de vigas de piso, 500 metros de vigas de telhado e 800 metros de canais além de centenas de outros elementos metálicos essenciais.

Isto representa mais de 10 toneladas de elementos de metal de alta resistência unidos por milhares de parafusos estruturais. No entanto, neste exemplo, a casa seria muito mais leve do que uma vulgar, visto não ser necessário todo o peso do cimento ou do tijolo. Ou seja, praticamente todo o peso de uma construção LSF é proveniente do seu esqueleto metálico estrutural.

Pelo fato de não serem necessárias vigas ou colunas isoladas de apoio, todas as paredes exteriores podem ser consideradas como estrutura do edifício e por onde se reparte todo o peso das placas e andares. Assim, facilmente se compreende a extraordinária resistência sísmica destes edifícios. A inteira casa pode ser comparada a uma enorme caixa metálica reforçada por um revestimento estrutural, sendo usualmente escolhidas as placas de OSB, ou fitas metálicas de contraventamento e fechamento em placas cimentícias para esse efeito. Visto que não são empregues pontos de soldadura, são eliminados pontos frágeis de ruptura.

Colapso de edifício com estrutura em betão (português europeu) ou concreto (português brasileiro) devido a sismo, Turquia 1999.

A casa torna-se uma estrutura flexível, adaptando-se às mínimas variações do terreno, não abrindo fissuras nas paredes e sem apresentar o risco de queda de colunas ou de placas, na eventualidade de um sismo violento. Para isto também contribui o baixo peso da inteira edificação e a uniformidade na distribuição das cargas, atenuando os pontos de concentração de forças e de tensões.

Naturalmente, nem todo o tipo de aço é adequado à estrutura de um edifício ou corresponde ao exigido na legislação aplicável às estruturas com perfis enformados a frio, tal como os Eurocódigos, sendo necessário recorrer a engenharia para a escolha correta do tipo de perfis a aplicar.

Esta vantagem do light steel framing, fez disparar a construção de edifícios residenciais com estrutura em aço nos Estados Unidos, especialmente na Califórnia, na Coreia do Sul ou no Japão, visto que estas são zonas do planeta que correm graves riscos sísmico

A Reformolar não executa nenhum tipo de obra sem projeto. ↳ Clique aqui

O atendimento telefônico é das 08:00 às 12:00 e das14:00 às 18:00 horas de segunda à sexta-feira.

Para solicitar o seu orçamento preencha todas as informações do formulário clicando aqui.

Leia também:
Quanto custa construir uma casa
Como construir de maneira correta e segura
Preço do m² na construção civil em 2015
- Como diminuir os custos na construção da sua casa
-
 Sistema Construtivo Steel Frame
- Conscreto PVC

Os benefícios do gerenciamento de obras

Gerenciamento de Obras é um tipo de serviço de Engenharia que tem como foco fazer com que sejam cumpridos os objetivos de custo, prazo e qualidade. Evitando problemas, quanto a atrasos e aumento de custos.

Até alguns anos atrás, a atividade de gerenciamento era parte dos serviços oferecidos pelas construtoras. Porém, com o aumento da complexidade das obras, as construtoras perceberam que era preciso manter o foco na execução da obra, sua atividade fim.

A partir disso, nasceram as empresas gerenciadoras que, além de terem profissionais com elevado grau de conhecimento técnico em termos de normas, compreensão de projeto, interpretação das especificações e procedimentos de execução, contam com ferramentas e técnicas, tais como softwares e modelos de planejamento consagrados, para atingir os objetivos de cumprimento de prazos, custos e qualidade, entre outros.

As gerenciadoras, portanto, representam uma profissionalização do mercado de construção civil, ficando responsáveis por representar o cliente (dono da obra) frente às construtoras e garantindo que a obra seja executada de acordo com as necessidades do contratante. Além disso, Com um bom planejamento e gerenciamento, é possível reduzir em até 6% o custo final de um empreendimento.

O gerenciamento permite uma avaliação correta das etapas de execução, analisando prazos de entrega, tecnologias e equipamentos empregados, produtividade e, a cada passo, a avaliação do impacto no custo orçado, fazendo com que os gastos não saiam de controle. Com isso, garante-se que a obra, na fase de execução, mantenha um bom ritmo e sem sair dos trilhos, já que tudo foi planejado com antecedência, a fim de evitar os imprevistos que sempre encarecem os custos e impactam negativamente nos prazos.

É certo que sempre podem ocorrer surpresas, fora do raio de ação da gerenciadora, como longos períodos de chuvas, problemas com mão de obra, alta de preços, acidentes etc. Mas o bom gerenciamento procura prever e reduzir ao mínimo esses riscos ao mínimo.

Embora seja cada vez mais rara uma obra sem planejamento nos grandes centros urbanos, quanto mais tempo se investe nas etapas de planejamento e projeto, menores os custos e os prazos de execução da obra. Tudo isso evita que ocorram dúvidas e improvisações durante a construção, reduzindo o retrabalho, diminuindo desperdícios e a geração de entulho, tornando a obra mais sustentável do ponto de vista do meio ambiente, além de reduzir problemas com segurança do trabalho no canteiro e aumentar a qualidade das construções.

Os grandes empreendedores e as construtoras mais importantes do país já entenderam que com o planejamento e o gerenciamento de projetos e obras os resultados para seus negócios são melhores, na medida em que há racionalização na execução, resultando em um produto final de melhor qualidade.

Redução de Custos
Quando se analisam os custos nos orçamentos das construtoras, existem vários itens que encarecem o valor do produto final para o cliente contratante, entre eles, os riscos na contratação de subempreiteiros, atrasos, a bitributação (impostos que incidem sobre construtora e os fornecedores de serviços contratado por elas), taxa de administração, entre outros.

Para reduzir esses valores, a gerenciadora atua na forma de contratação, retirando do contrato com as construtoras alguns serviços que podem ser adquiridos diretamente pelo empreendedor, mas que ficarão sob a responsabilidade da construtora quanto ao cumprimento de prazos, qualidade, logística, controle de compras, etc.

Normalmente, estes serviços excluídos do contrato da construtora são os de instalações elétricas e hidráulicas, de combate a incêndio, automação, estruturas metálicas especiais, transporte vertical, e outros diversos. Assim, a gerenciadora, que tem mais tempo para fazer as contratações, pois atua desde o planejamento, pode estudar antecipadamente algumas soluções para a redução de custos desses serviços, além de ter liberdade de escolha. Com todos esses procedimentos, é possível chegar a uma redução de custo final do empreendimento de até 8%.

O importante é nunca esvaziar o contrato da construtora, pois ela deve ser a líder, sendo responsável direta por mais de 60% do valor da obra, assim como pelo canteiro geral, segurança patrimonial, controle de acessos, segurança do trabalho, logística do canteiro, compatibilização de todos os cronogramas, limpeza da obra, etc. E isso sempre com a supervisão da gerenciadora, que se torna o braço do cliente dentro da obra.

Estratégia Produtiva
A gerenciadora planeja e faz com que a forma de execução das atividades da obra atendam aos requisitos de prazo, de acordo com o cronograma, qualidade e custo do empreendimento. Isso colabora para viabilizar a estratégia produtiva da construtora, com o estabelecimento de metas e dos procedimentos necessários, de acordo com o processo de controle adotado para o empreendimento.

Dessa maneira a função da gerenciadora é planejar e coordenar todas as diferentes atividades e operações que fazem parte de uma construção. Tudo começa pelo gerenciamento e coordenação dos vários projetos, tais como o arquitetônico, o de estruturas, o de instalações elétricas e hidráulicas, entre outros. As interfaces entre esses projetos precisam ser estudadas para que na hora da execução não haja dúvidas sobre o que e como fazer, evitando improvisações, erros e retrabalhos.

Durante a execução do empreendimento, a gerenciadora irá acompanhá-lo para que sejam cumpridas todas as especificações do projeto. Tudo deve seguir uma sequência clara e lógica de etapas, com início, meio e fim, para atingir os objetivos definidos, de acordo com o prazo, custos e qualidade. Baseado num planejamento rigoroso, o gerenciamento busca antecipar problemas e imprevistos, resolvendo-os o máximo possível antes do início da fase da construção. Isso permite a racionalização e o aumento da produtividade, o que facilita o cumprimento de prazos, custos e qualidade.

Essas são as vantagens que o planejamento e o gerenciamento de obras podem trazer, pois oferecem uma visão clara entre diferentes níveis gerenciais, definindo o papel de cada envolvido no processo, reduzindo a probabilidade de erros na execução, definindo fluxos e etapas de construção, contribuindo na demarcação de padrões para o controle da obra.

por Engº Fernando Neaime